IS THERE ANY BUYER OUT THERE?

Capaexpo - is there any buyer out there?

An online neoclassic modern art exhibition by Daniel Mendes

Estas são pinturas em tinta acrílica, bastante rústicas e apaixonadas, feitas especialmente para a exposição IS THERE ANY BUYER OUT THERE?.

Todas as 12 foram pintadas sobre tela montada no eucatex, concluídas em fevereiro de 2021. Dei nomes em inglês porque gosto da língua. Tem título em alemão e em sueco também, na verdade. O tamanho de todas elas é o mesmo: A4, ou seja 21 x 30 cm.

São pinturas pequenas, simples painéis. Minha recomendação é que sejam emolduradas em boas moldurarias e que tome-se a liberdade de escolher o modelo.

Caso deseje-se humildemente a opinião do artista em relação à moldura, tenha-se em mente que as molduras largas, de madeira dourada, com passe-partout revestido de juta, essas que geralmente vêm decoradas com volutas e ramos de louros, são as melhores.

E não deixe de ler o Guindaste Metafórico!

Cement Mausoleum
Trekanten
Jacarisland ❤

Aproveite a oportunidade – já que está aqui – e garanta por um preço inacessível um exemplar do inédito neoclassicismo modernista disponível apenas na exposição IS THERE ANY BUYER OUT THERE? – an online neoclassic modern art exhibition.

Random Beams ❤
Blue Lily ❤
Surfing House ❤
Shadowed Continent
Long Wave ❤
Weiss Wurst
Woobly Pinkloud
Trumpet Sunset ❤
Istmo
Endless Isthmus

Obrigado por visitar a exposição online de arte neoclássica modernista “IS THERE ANY BUYER OUT THERE?”

O Guindaste Metafórico

“O Guindaste Metafórico” é o novíssimo lançamento da editora independente PCbooks – Passarinho Colorido Livros.

O Guindaste Metafórico: a maior obra de engenharia que jamais existiu, é uma novela que narra a construção fictícia de um guindaste gigante. O fantasioso veículo teria a função de suspender o globo terrestre. Representação do impossível e da literatura, o guindaste resolveria todos os problemas do mundo se pudesse existir. Na prática a hipótese causa mais problemas do que resolve, trazendo muita loucura e atribulação para todas as pessoas e principalmente para os personagens Pedro Rocha e Patrício Paternostro, que acabam enlouquecendo diante da inimaginável possibilidade.

Uma leitura divertida, modernística, atual e filosófica:

“O tresloucado poeta seria tal qual enigmática esfinge, envolta em brumas de gelo seco, por estroboscópica luz revelada, nas trevas de uma madrugada vazia.”

“O estupefato projetista nadaria em um mar dourado de contentamento, enquanto seus neurônios explodiriam como fogos de artifício detonados pelo som de mil violinos tangidos por unicórnios aureolados com arco-íris duplos cintilantes. O beberrão surfaria no píncaro da filosofia, e sua alma seria um eterno réveillon em Paris até que, profundamente afetado pela deliciosa sensação, perceberia seu maxilar relaxadamente caindo do crânio, solto, pendurado como o badalo de um sino.”

Disponível na Amazon e no Clube de Autores.

https://clubedeautores.com.br/livro/o-guindaste-metaforico

AUSONIA CARMINA

ausonia carmina

Versos Latinos de Mendes de Aguiar

Publicado em 1926, o Ausonia Carmina, de Joaquim Mendes de Aguiar, ganha em 2019 nova edição. Um projeto da mini-editora independente de auto-publicação PCbooks (Passarinho Colorido Livros).

Faz parte do Ausonia a tradução latina do nosso Hino Nacional, o Hymnus Brasiliensis. Esta é uma tradução homeométrica, uma demonstração incontestável da virtuose de Joaquim Mendes de Aguiar. Faz parte desta edição também um resumo de um estudo da autoria de Francisco José Braga, do https://bragamusician.blogspot.com/, cujo objeto é a homeometria do Hymnus.

O Ausonia Carmina – Versos Latinos de Mendes de Aguiar, está disponível no CLUBE DE AUTORES e na Amazon:

Floriano Brito em seu “juízo crítico”, sobre Joaquim Luis Mendes de Aguiar:

“Ouvindo-lhe uma das odes, tem-se a magica impressão de um dilatado recúo no tempo e no espaço. Não é um contemporaneo, que nos está declamando pentametros ou hexametros da sua lavra. É um vate contemporaneo de Mecenas, que, com a toga artisticamente atirada sobre os hombros e a fronte cingida de louro, nos lê o derradeiro carme composto em honra de um amigo dilecto ou o ultimo hymno entoado ás omnipotentes divindades de Roma. E prolonga-se o sonho acordado e continúa a maga resurreição das éras mortas: ouve-se a vozearia do povo no Colyseu, vê-se o desfile dos legionarios, palmilha-se o pó da via Appia, escuta-se a voz augusta de Cicero no Senado, estrugem as delirantes ovações com que é recebido o imperator victorioso na urbs imortal.”

Mônicas deformadas nos muros das escolinhas

mônicas deformadas

As mônicas deformadas nos muros das escolinhas  são monstruosas.

Elas marcaram minha memória com sonhos intranqüilos. Talvez eu tenha optado pela profissão do artista no intuito de corrigir tanta barbaridade. Sempre que eu passava pelo muro de alguma escolinha e me deparava com uma Mônica deformada minha vontade era parar tudo e repintar o muro.

Não precisaria ficar lindo. Bastaria se não fossem tão horripilantes. Porque alguém teria gastado tempo e dinheiro para fazer algo como aquilo? Até um suprematista russo qualquer faria melhor pintura.

Eu teria de descobrir uma outra forma de conviver com esta loucura.

Uma avalanche de Mônicas deformadas

Eu nunca repintei esses horríveis personagens das portas das escolinhas. Seria impossível remediar o irremediável e conter esta verdadeira avalanche de feiura. A vida seguiu. No ano de 1998, porém, uma assombrosa imagem surgiu na minha frente. Era ela, mas em versão piorada. Sim, eu mesmo havia pintado uma Mônica deformada. Foi como anos de terapia transcorridos em uma fração de segundo. Não pude repintar todas as Mônicas do mundo, mas fiz com que elas, por comparação, se tornassem mais belas.

Quem poderia imaginar que a Mônica deformada poderia ser ainda mais feia?

Veja com seus próprios olhos:

Pois que me vi diante de uma super-comédia, gênero que o próprio Aristóteles desconheceu.

É algo maravilhoso que esta antiga aquarela esteja disponível para a impressão no sítio do Passarinho Colorido.

Creio que seja do interesse de todos, pois que o ser humano tem prazer em contemplar imagens bizarras quando em exatas reproduções. Sendo você filósofo ou não, encontrará grande satisfação em contemplar nossa “Mônica”  a partir do conforto de sua residência, sem ter de se perder pelos trágicos muros das escolinhas infantis.

Eis que me aprofundando nessa apaixonante pesquisa descobri uma página de Facebook que reúne uma impressionante coleção de Mônicas, a  “Mônicas deformadas nos muros das escolinhas“. Nós do Passarinho Colorido recomendamos fortemente esta leitura.

É bom notar que o mundo está concertado.

 

 

Jornal do Passarinho Colorido

Jornal do Passarinho Colorido

Nesta edição do Jornal do Passarinho Colorido nós da redação estamos apenas praticando o ofício. Poderíamos estar mentindo, poderíamos estar desinformando, mas estamos apenas honestamente dizendo a verdade e nos divertindo com a escrita e a WWW. Pretendemos aqui somente revistar os tantos recursos, explorar as diversas mídias e os intricados mecanismos da internet. É o que nos resta para fazer neste mundo claustrofóbico e tecnológico.

Subtítulo – Porque um no Jornal do Passarinho Colorido?

Ninguém está à toa na internet, muito menos o Jornal do Passarinho Colorido, mesmo que ele não tenha muitas notícias para dar. O subtítulo ajuda o post a se sair melhor nos sistemas de busca. Isso é uma loucura porque o nosso editorial discorda completamente do que está sendo indiretamente veiculado aqui.

O Jornal do Passarinho Colorido acessou a administração de seu sítio no WordPress para “incorporar” o videozinho incorporado acima, uma animação feita no Blender – nível kindergarden, justamente para divulgar o próprio endereço.

A forma que encontramos de inserir um vídeo no post do WordPress então exigiu que publicássemos no Youtube o tal vídeo. É sempre constrangedor ir ao canal de Youtube do www.passarinhocolorido.com.

O cantor canta mal, mas quando conseguiu comprar seu violão de segunda mão se empolgou um pouco demais. O som do aço, quando o brasileiro ouve, já faz ele pensar que é no mínimo o Bon Jovi, e enfim, ele poderia ter gastado todo seu dinheiro com botas de couro de cascavel, mas apenas gravou videozinhos com seu violão. As canções são boas, mas aquela que tem o melhor título, o mais comprido, que mais agrega valor ao nosso post, é a “Eu pagaria dez reais em uma esfirra do Habbib’s.

Gostaríamos mais é de estarmos vendendo o Guindaste Metafórico. Infelizmente, porém, quem visualizar a animação pode acabar descobrindo este canal de Youtube horroroso, que não apagamos porque não ter o que dizer é, talvez, a grande chave da internet. Lidar com a falta de assunto, de forma honesta, é o grande talento do poeta, afinal. O Guidaste Metafórico é justamente uma reflexão sobre a inoperância da faculdade linguística nas ocasiões em que falta o digníssimo assunto, já que sem ele nunca haverá imprescindível propósito.

É por essas e outras que o Jornal do Passarinho Colorido deseja boa noite.

Boa noite!

O AUTOCOACHING

Todo mundo tem um sonho. Todo mundo quer realizar seus objetivos. Mas como? O autocoaching é a resposta.

Você perde seu tempo e seu dinheiro para estudar, para abrir seus horizontes, para aprender as manhas desse jogo sujo. Contrata gurus, lê Karnak, Paulo Coelho, Cortela, Padre Fábio, Pastor Fábio, Fábio Teruel, Fábio Assunção.

Você quer ganhar dinheiro, cara! Quer mulheres aos seus pés, quer viajar de avião, emitir CO2 pelo escapamento e metano pelo rabo. Você quer odiar o próximo, comer coxinha com catupiry. A gente sabe o que você quer! A questão é:

Como treinar sozinho?

Eu não devia, mas vou te ajudar, explicando como funciona esta técnica que eu mesmo inventei, o AUTOCOACHING, e o melhor de tudo é que o curso, do começo ao fim, vai custar para você, somente para você, absolutamente, ZERO reais.

Você não precisa sequer se cadastrar no www.passarinhocolorido.com. Apenas leia até o final e tenha a gentileza de compartilhar, para que outra pessoa possa também atingir gratuitamente seus objetivos e assim possamos todos viver em um mundo pior, onde pessoas de péssimo caráter fazem sucesso e ganham dinheiro. Vamos quebrar os ovos então para fazer a omelete.

Autocoaching: como começar?

Antes de mais nada você precisa entender que, no autocoaching, você é mestre e pupilo ao mesmo tempo. Na prática, portanto, o seu pupilo interior não vai precisar transferir dinheiro para o seu mestre interior, pois que eles têm a mesma conta bancária. O dinheiro continua lá. Para o treinamento fazer efeito, contudo, e seu pupilo interior dar o dinheiro para o mestre interior, você precisará fazer a seguinte operação. Leia com atenção!

Quem é o pupilo interior? Pupilo interior é aquele momento de dúvida, de fraqueza, é quando você acorda e diz: “Puxa vida, que vida a minha! Que farei, para onde irei?” Já o mestre interior é aquele que acorda cedo para trabalhar, e em minutos resolve todos os problemas, paga contas, organiza a mesa de trabalho, faz um backup de todos os arquivos, e toma uma garrafa térmica inteira de café antes das nove.

O pupilo interior precisa, metaforicamente falando, enviar dinheiro ao mestre interior, no intuito de por ele ser ludibriado. É assim que funciona toda a tradição da autoajuda neopentecostal contemporânea. O pupilo precisa reconhecer sua condição inferior e fazer investimentos, endereçando grandes somas de dinheiro ao mestre, que por fim fica rico e usa o dinheiro como prova da eficiência de seu método.

Como então transferir o dinheiro metafórico do pupilo interior para o mestre interior? O autocoaching se resume nessa operação.

***

Antes de prosseguirmos, quero oferecer os livros autopublicados do Passarinho Colorido, disponíveis no Clube de Autores: “Bege Pastel”, “Santa Liduína de Schiedam”, e “Ausonia Carmina”. Compre todos! Seu mestre interior vai adorar.

A transferência

A delicada operação financeiro-metafórica de transferir dinheiro do pupilo interior ao mestre interior é muito delicada e sutil. Você vai precisar ser insistente, porque o pupilo interior é preguiçoso, ignorante e vagabundo. É muito difícil fazer com que ele tome qualquer atitude, principalmente uma que envolva despesas materiais.

Supomos que você já saiba quem é seu pupilo interior. É de fundamental importância saber como o identificar durante o cotidiano.

Tomemos exemplos que facilitarão o entendimento.

O pupilo interior quer tomar café. Você então convence o pupilo que ele não merece aquele café, já que o mestre interior merece todo o sacrifício. Então você diz para você mesmo: “Vai, seu merdinha, levanta e vai fazer um café, seu mestre está esperando.”

Então o pupilo, resmungando, se levanta, e vai fazer o café. Quando este fica pronto, quem toma é o mestre interior, que deita tranquilamente o açúcar na xícara, e toma o café todinho, sem deixar nem uma gotinha para o pupilo interior.

Quando então o mestre termina de beber o café, quem é que lava a louça? O pupilo, é claro.

Talvez você já tenha entendido como funciona o auto coaching. Este é o meu objetivo, fazer com que todos compreendam esta eficiente técnica de auto treinamento que inventei.

Ao longo da semana, repetindo o procedimento do café, nas variadas esferas da vida cotidiana, você vai perceber que o pupilo interior é um servo muito bom. Ele estará menos preguiçoso, e vai realizar todas as tarefas braçais, cansativas e dolorosas, poupando o mestre interior do desgaste físico e mental.

O dever do mestre

O trabalho do mestre é apenas contemplar o sofrimento do pupilo, tomar-lhe todo o dinheiro, comer todo o chocolate, tomar todo o café. Quando o pupilo estiver muito cansado e pobre, deixe ele montando guarda no portão enquanto o mestre tira uma soneca com o ventilador ligado.

E lembre-se. Nunca, nunca deixe o pupilo interior gastar dinheiro. Todos os recursos financeiros pertencem e devem pertencer ao mestre.

Se o pupilo chorar demais, compre uma cerveja Itaipava pra ele e mande ele arrumar o quintal.

Eu duvido que você não atinja seus objetivos, se seguir os passos do auto coaching com meticulosidade e determinação.

SANTA LIDUÍNA DE SCHIEDAM

passarinho colorido

Santa Liduína de Schiedam (1380-1433) viveu na Holanda, na época do Grande Cisma, uma época em que a Igreja vivia o tormento de estar dividida entre dois antipapas. Aos quinze anos quebrou a costela, o que a levou para a cama de onde não mais sairia. Suas doenças misteriosas, até então tidas como naturais, logo revelaram uma origem sobrenatural. Segundo revelações de Anne Catherine Emmerich, ela estava sofrendo voluntariamente expiação pelo bem da Igreja. Sua condição ficou tão ruim que seu corpo praticamente se dividiu em três partes, refletindo simbolicamente a situação da Igreja. Liduína não comia, foi muitas vezes arrebatada pelo êxtase, e manifestou numerosos fenômenos místicos, como por exemplo a emanação de um delicioso e pronunciado perfume. Sua história garante uma leitura inspiradora e fascinante, porque Liduína está entre as vítimas mais heroicas de todos os tempos.

Disponível no CLUBE DE AUTORES e na AMAZON

Acompanhe, se puder, nossa página de auto-publicação

Eletrocão – O cão que não polui

eletrocão

O Projeto Eletrocão

Eletrocão é sem dúvida o único nome que a criatura poderia ter. Ontem mesmo cheguei em Tóquio, depois de uma extenuante viagem. Com tanta coisa interessante para se fazer em uma cidade como esta, tenho apenas uma coisa em mente: conhecer pessoalmente este animal que é de carne e osso mas que se alimenta de eletricidade.

Há alguns meses que fiquei sabendo dessa inacreditável notícia. Nasceria de uma cadela comum um cãozinho incomum, elétrico. A pesquisa seria produto de um frutuoso intercâmbio científico entre universidades canadenses e japonesas. Após dois anos de muitas teorias e experiências, finalmente, os cientistas decidiram executar o projeto em solo japonês. Pelas minhas contas, o eletrocão tem agora em torno de cinco meses de idade.

Kumiko Mori, a “dona”, por assim dizer, do eletrocão, é uma japonesinha muito simpática que me recebeu no hall do hotel, com o bichinho na coleira. Ela disse sorrindo que o Eletrocão seria o único cachorro do mundo a quem era permitido circular por aquelas luxuosas dependências, já que não urinava nem defecava.

Encontro com Kumiko

– Come, sweetie, come here! O extraordinário cachorro vinha então abanando o rabo todo contente. Kumiko disse então que a bateria do cachorro estaria para acabar, e que a entrevista deveria ser breve. Assim foi nossa conversa:

– Kumiko. Como o eletrocão funciona?

– Ele é, aparentemente, um cachorro comum. O Eletrocão não funciona, ele vive, na verdade. Todavia, nosso eletrocãozinho é geneticamente modificado. Ele não se alimenta de ração, mas sim de eletricidade. O estômago dele tem mais dobras que o normal, e lhe serve de bateria. É muito simples: o ácido clorídrico do estômago do eletrocão armazena eletricidade.

– E como você o recarrega? Pelo ânus? Realmente…

– Não! Esta é a parte mais difícil. Ele dorme numa casinha magnética. Às vezes, principalmente quando ele fica muito feliz, e abana demais o rabo, gasta a energia toda e desmaia. Este é um problema que pretendemos resolver. Talvez se ele não abanasse tanto o rabo… Mas enfim. Quando isto acontece, não há outro jeito. Pego-o no colo, e o deito em sua caminha. Ligo por fim o campo magnético e em cinco horas ele está pronto pra outra.

– Sabe o que acho mais incrível, Kumiko? Ele absolutamente não faz cocô!

– Nem xixi.

– Infelizmente ele custa muito caro, e por isso ainda não está à venda. Gastamos milhões de dólares com o Projeto Eletrocão. No futuro, é o que esperamos, as crianças poderão ter seus cachorrinhos sem que seja necessário ficar catando cocô no quintal.

– Muito bom, Kumiko! Parabéns pela iniciativa. Acho que o cachorro morreu!

– Ele apenas desligou. Pois bem. Tenho que ir agora. Você pode comprar na internet um retrato do Eletrocão, na Passarinho’s. loja virtual do Passarinho Colorido. Colabore com nossa importante pesquisa!

– Obrigado. Obrigado. Sayonara.

Acidente de avião na ilha de Kokomo

kokomo

Kokomo. Pacífico central. Nuvens brancas rolam pelo céu de brigadeiro. Um avião cargueiro, cheio de galinhas e vacas, perde uma turbina e todo o controle. Tranquila, apesar de tudo, a comandante da aeronave Clara Mendes, 38, tentou fazer um pouso forçado nas águas que circundam este paraíso tropical. “Eu vi a cara da morte, o desastre aconteceria de qualquer maneira!” Ela comenta sorrindo.

A sorte é que as ondas amorteceram o impacto da aeronave, que surfou gentilmente até as areias brancas da praia. Toda a tripulação sobreviveu intacta e sem ferimentos.

Duas vacas e cinco galinhas, porém, acabaram morrendo de susto. Isto veio muito a calhar. A morte dos animais proporcionou aos habitantes de Kokomo um divertido churrasco. E os sobreviventes cantaram e se divertiram noite adentro.

A notícia que se tem, desde então, é que ninguém mais quer ir embora do local. Surpreendentemente, o que hoje se oferece ao turista é uma confortável infraestrutura. Na Kokomo atual há uma série de bons restaurantes, de pousadas com tevê e ar condicionado, de massagistas bronzeadas e drinks de guarda-chuvinha. Visite Kokomo. E faça sua reserva de seu pacote na LOJA VIRTUAL do PASSARINHOCOLORIDO.